terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Porque o SL Benfica não é só Futebol...

Museu Cosme Damião prepara-se para ostentar mais um troféu! Num fim de semana bastante saboroso, merecido sublinhado para a insofismável conquista, pela 5ª vez do nosso historial, da Taça Hugo dos Santos.

Confira resumidamente aquilo que se passou em cada um dos jogos disputados pelas nossas equipas.


Em Oliveira do Hospital, o SL BENFICA sagrou-se vencedor da Taça Hugo dos Santos, após vulgarizar o FC Porto no derradeiro e decisivo encontro. A secção de Basquetebol do nosso clube está de parabéns!

No arranque da competição, as águias despacharam o Sampaense, por expressivos 92-59, logrando assim o acesso às Meias Finais da competição.

Nota para as ausências de Derek Raivio e Marko Loncovic, devido a lesão. Ambos estiveram afastados da decisão do troféu.

Quanto ao jogo de Quinta-feira, uma entrada determinada por parte das águias culminou numa vantagem larga, logo no primeiro Período (27-12). E claro diminuíram drasticamente as esperanças do conjunto de São Paio de Gramaços. Sem surpresa, os encarnados controlaram a iniciativa da partida, frente a uma equipa vulnerável, com pouca profundidade no plantel. Paulatinamente, após o intervalo, os homens que envergam o "Manto Sagrado" dilataram as distâncias, com Carlos Lisboa a aproveitar para dar min aos menos utilizados. Damian Hollis, com 17 pontos, foi o melhor marcador da partida.

Com o Galitos Barreiro, a tarefa foi bem mais complicada. Triunfamos por 62-54, garantindo nova presença na Final da competição. Excelente réplica do adversário.

Na primeira Meia Final do dia assistiu-se a um jogo repartido, com cada parte marcada por etapas distintas. A formação encarnada entrou melhor e cavou uma diferença considerável no 1º Período (16-7), todavia o conjunto adversário respondeu com maior agressividade no processo defensivo e maior acerto ofensivo para equilibrar o embate. No 2º Período, o Benfica apenas concretizou 8 pontos, não sendo preciso referir mais nada acerca da nossa mísera produção ofensiva. Com efeito, chegamos ao intervalo com o colectivo benfiquista a vencer por 2 pontos de diferença (24-22).

Na 2ª parte predominou o equilíbrio e a baixa pontuação. O conjunto sediado no Barreiro permaneceu relutante e as águias continuaram irregulares. No final do 3º Período o Galitos vencia por 37-41 e, por conseguinte, somente nos derradeiros 10 min se decidiu o vencedor do jogo. Menos desgastados e mais experientes, os homens de "águia ao peito" recuperaram o comando e dispararam no marcador. Damian Hollis voltou a ser o elemento mais valorizado, firmando um duplo-duplo (21 pontos, 10 ressaltos e 4 roubos de bola). Carlos Morais apresentou queixas e não foi a jogo.

Na outra Meia Final, o FC Porto destronou a Oliveirense, por 70-65. Aguardava-se mais um duelo entre as duas melhores formações nacionais.

Finalmente, no Domingo, aconteceu uma reedição da Final de 2015/2016 e desta vez a sorte do jogo pendeu para o lado benfiquista. Águias trucidaram FC Porto, por 77-60.

No cômputo geral, a formação comandada por Carlos Lisboa realizou uma exibição consistente, avassaladora e letal. A capacidade defensiva evidenciada, pese embora a ineficácia portista no lançamento, durante todo o encontro catapultou as águias, no que diz respeito à manobra ofensiva, para uma tarde de critério na circulação de bola e de inspiração individual no tiro exterior (16 triplos). Foram vários os atiradores de "mão quente" - Mário Fernandes (3/3 de 3 pontos), Carlos Morais (4/6 de 3 pontos), Tomás Barroso (4/9 de 3 pontos). O técnico encarnado teve de recorrer à versatilidade do seu plantel para fazer face às ausências e algum sub-rendimento das principais figuras. E, diga-se saiu-se bem.

Desde os primeiros momentos do jogo se percebeu peremptoriamente o ímpeto dos encarnados. Com uma postura defensiva rigorosa e agressiva q.b., a anular as principais "armas" azuis, quer junto quer longe do cesto. Ao passo que na vertente ofensiva, revelavam uma boa dinâmica na procura do melhor momento para lançar ao cesto, isto é, sem a devida oposição dos nortenhos.

Como acima mencionado, a aposta no tiro exterior surtiu efeito e dela nos baseamos para nos adiantarmos no marcador e assegurar uma margem confortável na dianteira do "score". Por seu turno, a solidez defensiva jamais permitiu quaisquer chances ao rival de se aproximar. O Benfica recolheu aos balneários com uma vantagem significativa (48-29).

No 3º Período a tendência da partida manteve-se. Aliás acentuou-se a clivagem pontual e à entrada para os últimos 10 min estávamos na frente com 24 pontos de diferença (68-44). O acerto encarnado nos lançamentos longos voltou a fazer "estragos".

No início do 4º Período a formação portista ainda encetou uma ligeira aproximação no marcador, fruto de maior empenho nortenho na defesa, mas nada que apoquentasse a vitória benfiquista.

A equipa realizou uma partida bem conseguida, com sentido colectivo e bons momentos de basquetebol, no entanto houve uns que foram mais protagonistas que outros, como por exemplo Mário Fernandes (11 pontos, 10 assistências), eleito MVP da Final, e Tomás Barroso (14 pontos), que normalmente não constam na equipa inicial, a rubricarem excelentes actuações.

Depois do fracasso da Supertaça aí está o primeiro troféu da temporada. Mas o Benfica não pára e portanto há que prosseguir com esta bitola e pensar em conquistar a Taça de Portugal e recuperar o título nacional. Este é indelevelmente o nosso lugar!

Taça Hugo dos Santos - Quartos Finais

SL BENFICA 92-59 Sampaense
Galitos Barreiro 73-64 Ovarense
Oliveirense 70-51 V. Guimarães
FC Porto 73-63 Illiabum

Taça Hugo dos Santos - Meias Finais

SL BENFICA 62-54 Galitos Barreiro
FC Porto 70-65 Oliveirense

Taça Hugo dos Santos - Final

SL BENFICA 77-60 FC Porto


Em Futsal, foi atingido o acesso aos Oitavos de Final da Taça de Portugal. Na cidade do Porto, o Benfica obteve uma vitória robusta diante do Boavista, por 0-10.

Tarde tranquila a Norte do país, num ambiente pouco adverso para as nossas cores. Passagem carimbada com distinção. No essencial, só deu Benfica frente a um Boavista que raramente criou perigo junto da nossa baliza, na primeira parte de Cristiano Marques e na etapa complementar de Cristian Dominguez.

Chuva de golos nos primeiros 20 min. O italo-brasileiro Alessandro Patias abriu o activo. Fábio Cecílio, após recarga a um remate por si efectuado, ampliou as distâncias. Ré, a encostar perto da linha de golo, fez o 0-3. Na sequência de um canto batido por Chaguinha, Elisandro fuzilou com um remate rasteiro. Pouco depois, surgiu o "bis" de Elisandro a concluir uma incursão individual de Fábio Cecílio. Justamente o internacional luso voltaria a fazer o gosto ao pé, e por duas vezes, antes do intervalo. Solicitado por Gonçalo Alves não perdoou e depois aplicou um bonito chapéu ao guardião oponente.

No segundo tempo, o Boavista esteve mais coeso a fechar os caminhos para a sua baliza e mais atrevido no contra-ataque. Já os encarnados previsivelmente abrandaram o ritmo e optaram por gerir até ao fim. Ainda enviaram bolas aos postes e marcaram por mais três ocasiões. O endiabrado Cecílio completou uma "manita", em dois remates de meia distância, e nos últimos suspiros Elisandro, logrando um "hat-trick", fixou o resultado final.

Resultado Final dos 1/16 Final

Boavista 0-10 SL BENFICA


Na tarde de Sábado, o SL Benfica recebeu e venceu o Sporting de Espinho por 3-1 no jogo grande da 15ª Jornada da 1ª Fase do Campeonato Nacional de Voleibol. Liderança reforçada!

Foi um triunfo sem mácula do Benfica, pese embora o set concedido. A equipa espinhense apresentou-se com uma baixa importante, o colombiano José Rojas, e o seu teórico suplente, Januário Alvar, também falhou a partida. Valdir Reis foi adaptado à Zona 4, mas Rui Pedro ficou sem grandes opções no banco de suplentes. Do lado encarnado, Hugo Gaspar regressou aos eleitos mas não saiu do banco.

O primeiro set foi dominado pelo Benfica, mas com boa réplica do adversário. O serviço do Benfica e o bloco foram fazendo mossa na equipa contrária, que como sempre contou com Hugo Ribeiro em excelente plano no plano defensivo, e a par de Miguel Maia sempre em grande acção no diálogo com os árbitros. Depois do segundo tempo técnico (16-14), o Benfica disparou no marcador para os 20-15, não deixando escapar a vantagem conquistada e fechando o primeiro parcial aos 25-21.

No segundo parcial o equilíbrio continuou a ser a nota dominante, tal como no primeiro, mas depois dos 15-16 a turma espinhense disparou para os 15-19 e 20-24, mercê de um momento em que a recepção do Benfica saiu sempre mal. José Jardim além dos receptores trocou Vinhedo por Violas, uma troca que iria durar o resto da partida. Até porque o Benfica recuperou para os 24-24, levando o set para as vantagens, onde iria cair aos 29-31.

No terceiro set o equilíbrio durou até aos 11-10, onde no serviço de Zelão o Benfica disparou para os 16-10. A equipa visitante foi abaixo, nomeadamente Miguel Maia pareceu ficar com pouca frescura, sendo evidenciadas as dificuldades dos espinhenses em conseguirem ultrapassar o bloco e a defesa baixa do Benfica. O marcador galopou até aos 25-16.

O último set foi mais do mesmo. Benfica muito mais forte e a disparar no marcador depois dos 10 pontos, fechando a 25-18. Notas individuais para a entrada de Violas que mexeu com o jogo, e claro para Ché, que com 25 pontos foi o homem da tarde. Rapha (15 pontos) também foi um dos mais regulares ao longo de toda a partida.

Este desfecho colocou-nos com 9 pontos de vantagem relativamente à vice-liderança agora partilhada por Sp. Espinho e Fonte Bastardo. Apesar de faltarem jogar 7 jornadas, bem se pode dizer que o Benfica tem o 1º lugar na fase regular praticamente assegurado. O "factor casa" em todos os Playoffs está garantido.

Resultados Finais da 15ª Jornada

SL BENFICA 3-1 Sp. Espinho (25-21; 29-31; 25-16; 25-18)
Atl. Madalena 3-1 Ac. Espinho (25-20; 25-17; 22-25; 25-23)
Ac. São Mamede 1-3 Castêlo da Maia (23-25; 20-25; 25-23; 13-25)
SC Caldas 0-3 V. Guimarães (22-25; 23-25; 21-25)
Esmoriz 3-0 Leixões (25-17; 25-22; 25-20)
Fonte Bastardo 3-0 VC Viana (25-17; 25-16; 25-18)


Empate a quatro bolas, no confronto entre Vic e Benfica, para a 5ª ronda do Grupo A da Liga Europeia de Hóquei em Patins.

Interrompida a série vitoriosa, mas cumprido o objectivo - 1º lugar na fase de grupos. Conforme o emparelhamento já conhecido, nos Quartos de Final, o Benfica defronta o 2º classificado do Grupo D, o Liceo da Corunha.

Nova entrada imprudente dos pupilos de Pedro Nunes, como se sucedeu na visita ao terreno do Vic na temporada passada onde os encarnados estiveram a perder por 7-0 (7-6 no final do jogo). Benfica muito passivo e desconcentrado e num ápice sofreu quatro golos sem resposta (dois de grande penalidade), e ainda faltavam disputar-se praticamente 10 min até ao descanso regulamentar. É certo que o piso é diferente comparativamente ao que estamos habituados, porém não pode justificar este arranque de jogo nada feliz das águias.

A escassos instantes do intervalo, o Benfica encurtou para 4-1. Após vários momentos periclitantes, o golo de João Rodrigues, na recarga subtil a um remate de meia distância de Miguel Rocha, relançou a discussão pelo resultado final.

Incrédulo com o que se passava em rinque, o técnico encarnado fez entrar Diogo Almeida para a 2ª parte, a exemplo do que fez no ano transacto (tirou Trabal e apostou em Pedro Henriques). E a realidade é que as águias apareceram com outra face. Rectificaram os erros cometidos, sobretudo ao nível defensivo.

O inconformado João Rodrigues, numa finalização à meia-volta, bisou na partida. Diogo Rafael reduziu para a diferença mínima num disparo de meia distância. A pouco mais de 10 min do apito final, Jordi Adroher, na execução magistral de um livre directo, fez o 4-4 e encerrou as contas da partida. Ainda houve tempo para muita controvérsia. Dois azuis que levaram as águias a jogarem apenas com Guarda-Redes e mais dois jogadores. Houve também lugar a um livre directo a favor dos catalães, a castigar a 10ª falta benfiquista, mas Diogo Almeida, autor de um magnífico desempenho, com duas estiradas, neutralizou com sucesso, quer o primeiro remate quer a segunda investida, levando ao delírio as dezenas de benfiquistas presentes.

Resultados Finais da 5ª Jornada do Grupo A da Liga Europeia

Vic 4-4 SL BENFICA
RHC Diessbach 3-5 Amatori Lodi


No fecho de um Sábado intenso, vitória importante e folgada diante do Águas Santas por 27-18 para a 21ª Jornada da 1ª Fase do Campeonato Nacional de Andebol.

Águias redimiram-se do desaire surpreendente em Avanca, retomando o trilho vitorioso para o campeonato e frente a um adversário que tradicionalmente se agiganta contra o Benfica. Continuamos no 3º posto a 10 pontos do líder FC Porto.

Desde a fase prematura do desafio o Benfica cavou uma boa vantagem no marcador (6-1), revelando um ataque organizado, com paciência na procura da melhor situação para atirar à baliza, bem como uma estratégia compacta em termos defensivos com especial enfoque em Pedro Cruz, o Central e unidade mais preponderante da formação maiata. A diferença de cinco golos foi conservada até ao intervalo (13-8).

Na segunda parte, as águias continuaram a controlar as incidências e já dentro dos últimos 10 min dispararam no marcador. A novidade da última janela de transferências, Jernez Papez, esteve em plano de evidência, nos segundos 30 min, contribuindo com sete golos. Um dos segredos para este êxito esteve na solidária e concentrada manobra defensiva, com Hugo Figueira a bom nível na baliza tal como Nikola Mitrevski que alinhou nos últimos min.

Resultados Finais da 21ª Jornada

SL BENFICA 27-19 Águas Santas
Belenenses 31-26 AC Fafe
FC Porto 32-30 ABC
Madeira SAD 34-35 Sporting
ISMAI 30-25 Boa Hora FC
Arsenal Clube Devesa 28-14 Ac. São Mamede
Sp. Horta 26-28 AA Avanca


Para consulta de tudo sobre a época 2016/2017 das modalidades, pode ver aqui:


Porque o SL Benfica não é só Futebol...

SPORT LISBOA E BENFICA!!! 1904!!!


Sem comentários:

Enviar um comentário